terça-feira, 19 de novembro de 2019

O pânico do vestibulando é real: uma espécie de contagem regressiva para o vestibular da UFRGS

Agora é 14:24 e, de acordo com a contagem regressiva que fiz no Instagram, faltam 4 dias e 34 minutos para o vestibular da UFRGS. Preciso confessar que eu ainda não comecei a entrar em pânico, por mais que eu já tenha consciência de que não conseguirei ler todos os livros que são leitura obrigatória do vestibular. Peguei As Meninas, da Lygia Fagundes Telles, na biblioteca e acho que esse está sendo um dos poucos livros que sou obrigada a ler e estou gostando. Gostei de ler Hamlet também, por mais que tenha odiado o final, mas, deixando isso de lado, é uma ótima peça. Afinal: "ser ou não ser, eis a questão" é uma das filosofias de Hamlet que mais fez sucesso pelo mundo todo. Comecei a ler As Meninas sem muita expectativa e confesso que foi o tipo de livro que eu julguei pela capa, já que não parecia ser uma história na qual eu fosse gostar. Por mais que ainda não tenha terminado de ler o primeiro capítulo, está sendo uma boa leitura. A escrita da Lygia é algo mágico, sabe? É tão gostoso ler palavras que você já está familiarizada, não sendo aquele tipo de leitura pesada e densa como a maioria das leituras exigidas pelas universidades. Ainda falando em livros, começou oficialmente a Feira do Livro da minha cidade. Um das orientadoras da nossa oficina de teatro disse que iríamos à feira e foi bem divertido. Achei alguns mangás do meu interesse para vender lá, mas não comprei nenhum por não ter levado dinheiro. Ainda estou pensando se compro os benditos mangás quando for ao centro na sexta-feira, já que tenho psicóloga nesse dia. Estou querendo economizar dinheiro, então estou pensando seriamente em não comprar os mangás, sem contar que tenho vários mangás lacrados que eu ainda não li. Enfim... Acho que sou uma compradora compulsiva de mangás. No final das contas, espero tentar me manter calma até o vestibular da UFRGS e não gastar meu dinheiro em besteira, assim como espero que você esteja tendo uma boa semana.

domingo, 3 de novembro de 2019

Sobre mais um vestibular, Hamlet e vegetarianismo

O vestibular de verão da PUCRS foi domingo passado. Depois de conferir o gabarito, eu tinha chegado a conclusão de que eu não tinha tirado uma nota muito boa, principalmente depois de ver que eu havia acertado somente duas em um total de dez questões na prova de matemática. Porém, para a surpresa de muitos, eu fiquei em 9º lugar no curso de Escrita Criativa. Eu fiquei pasma, minha psicóloga ficou pasma, meus pais ficaram pasmos, até meus cachorros ficaram pasmos. Por mais que eu tenha passado na PUCRS, o que era minha meta desde que eu havia descoberto a existência do curso de Escrita Criativa, ainda tem o vestibular da UFRGS no final desse mês e preciso confessar que estou animada ao repensar minhas chances de ingressar no curso de Ciência da Computação. Falando em UFRGS, só agora comecei a ler as leituras obrigatórias. Fiz meu cartãozinho da biblioteca municipal e estou pegando os livros para ler. Atualmente estou lendo Hamlet e até que estou gostando da leitura. Nunca pensei que fosse gostar de ler peças teatrais, por mais que tenha comprado Macário, do Álvares de Azevedo, para ler e não tenha lido até agora, mas pretendo ler assim que terminar as leituras obrigatórias. Acho que posso dizer que tenho dado meu melhor nos últimos dias. Pretendo focar no estudo nessas últimas semanas porque falta menos de três semanas para o vestibular e tem certos conteúdos que eu ainda tenho dúvida, então acho melhor esclarecê-las enquanto há tempo. A propósito, acho que posso dizer que me tornei vegetariana. Faz três semanas que não como carne e sigo firme e forte, mesmo que tenha risco de recaídas de vez em quando. Espero conseguir sobreviver os próximos meses sem carne, assim como espero que você tenha curtido o finalzinho desse final de semana.

quinta-feira, 31 de outubro de 2019

Halloween Material Party: os preparativos para a festa - desde o cardápio até a playlist

Mesmo que não tenhamos o costume de comemorar o Dia das Bruxas como é comemorado nos Estados Unidos, eu particularmente gosto das festas relacionadas à data. Faz uns bons meses que eu não participo do Together, e quase que eu vou embora do projeto devido a minha inatividade. Como o esperado, o tema do mês é Halloween, mais especificamente como seria a nossa festa ideal, ou seja: Halloween Material Party! Oh, yeah!

segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Sobre crush, paixão e, quem sabe, amor

Uns dias atrás, eu mandei uma mensagem convidando você para vir almoçar aqui em casa no domingo. Eu se quer imaginava o que iria acontecer na tarde daquele final de semana, mas quando você chegou aqui, eu abri o portão, dei um beijinho na sua bochecha e nós entramos. Minha mãe nem havia começado de fazer o almoço e meu pai tinha ido ao mercado para comprar batata palha. Acho que não tem como notar que minha mãe adora você, né? Ela revezava sua presença entre a cozinha e o varal dos fundos de casa: ora estendendo roupa, ora mexendo na comida. Almoçamos strogonoff, uma comida que eu sei que você gosta, e você disse a minha mãe que a comida estava ótima. Não sei se isso foi dito somente para agradá-la, mas acho que ela só gostou ainda mais de você. Depois do almoço, sentamos na mesa da cozinha e não falamos nada. Você estava na minha frente e, mesmo assim, você me mandou uma mensagem no WhatsApp perguntando se eu não queria ficar com você. Eu ficava na defensiva, dizendo que não sabia, mas quando você me perguntou se eu tinha o mangá físico do JoJo, eu  sabia  que  algo iria  acontecer. Eu sabia que aquilo era só uma desculpa para ficarmos no meu quarto, à sós, para, talvez, fazer com que algo acontecesse. De qualquer jeito, eu levei você até meu quarto e lhe mostrei todos os meus mangás. Você ficou impressionado com a quantidade e sentou na minha cama, enquanto eu deitei na parte que não era ocupada por você. Eu estava com sono, já que tinha dormido tarde aquele dia. Eu via você sentada na minha cama e eu sabia que você queria ficar comigo. Era óbvio que você queria ficar comigo. Afinal, você mesmo tinha perguntado se eu não queria ficar com você. Foi quando eu disse que queria dizer uma coisa, mas estava com vergonha. Eu pensei seriamente que a gente não fosse ficar, mas ai você se acocou no chão próximo de onde eu estava deitada e selou nossos lábios. Aquilo foi tão clichê! Você perguntou se era sobre isso que eu queria ter dito e eu disse que não; foi nesse momento que eu acho que você pensou que tinha estragado tudo. Eu não queria ter beijado você, mas era pelo motivo mais bobo do mundo: eu achava que eu estava com bafo, mas, no final das contas, acabamos nos beijando de novo. De novo, de novo, de novo, de novo e de novo. Eu beijei seu pescoço e você reclamou falando que se sentia desconfortável, então eu prometi que pararia, mas eu acabava esquecendo disso e depositava um selar no seu pescoço como um mero sinal de carinho. Você me disse coisas tão bonitas que eu penso seriamente que nunca irei esquecê-las. Por fim, acabamos passando boa parte da tarde deitados na minha cama, brincando com os seus dedos como se fosse a coisa mais interessante do mundo enquanto você beijava minha testa uma vez ou outra. Eu me sentia bem ao seu lado. Eu gostava de me encontrar nos braços de alguém que dizia gostar de mim. Porém, por volta das sete, nós voltamos para sala de estar. Meus pais estavam no quarto vendo televisão. Eu tomei um pouco de água e você foi ao banheiro. Eu fiquei sentada no sofá, repensando tudo o que tinha acontecido. Você havia falando com a sua tia perguntando se ela não poderia lhe buscar e ela pediu para você esperar ela em um campo de futebol que tem aqui perto de casa. Eu e meu pai levamos você até o local combinado e nós fomos de mãos dadas até lá. Não demorou muito para a sua tia chegar. Ela nos cumprimentou e meu pai disse que você poderia vir aqui em casa sempre que você quiser. Eu ia dar um selinho em você, mas acho que você estava com vergonha e simplesmente virou a cara para que eu acabasse beijando a sua bochecha. Eu não fiquei braba por causa disso, eu entendo, eu também sentia vergonha de vez em quando. No final, você foi embora com a sua tia e eu voltei para casa com o meu pai. Assim que chegou em casa, você me mandou uma mensagem, perguntando como estavam as coisas por aqui. Eu respondi que estávamos falando de você e você perguntou se eram coisas boas; eu disse que sim. No final, você foi dormir e me desejou boa noite. Eu ainda não sabia o que pensar sobre tudo o que tinha acontecido. Sinceramente? Era coisa demais para a minha cabeça, mas saiba que eu dormi sorrindo que nem uma boba, pensando que, talvez, eu acabasse gostando de você tanto quanto você dizia gostar de mim.

quinta-feira, 10 de outubro de 2019

Sobre um par de Keds preto, calzones que eu não comi e minha segunda tentativa de bullet journal

Desde que ganhei meu primeiro All Star, acho que posso dizer que ele passou a ser meu tênis preferido, porém, graças a uma amiga minha que vivia falando de um tal de Keds cor-de-rosa, eu resolvi juntar minhas economias e comprar um Keds para mim, já que a modelagem dele parecia ser bem confortável. Inicialmente, eu pretendia comprar um modelo na cor branca, só que eu não tenho muita paciência para ficar limpando meus tênis toda vez que ele suja, então optei por comprar um tênis todo preto, sendo esse meu quarto par de tênis todo preto. Preto desde o cadarço até o solado. Por outro lado, ontem fui ao cinema ver Coringa com uma amiga e foi bem legal, por mais que eu tenha chegado atrasada e não tenhamos visto o início do filme. Depois do cinema, fomos até a parada para pegarmos o ônibus para voltar para casa e eu me senti arrependida por não ter comprado um calzone para comer no caminho. O mais triste é que eu estou com vontade de comer calzone até agora e o mais próximo de um calzone que eu comi ontem foi um pastel de frango que minha mãe me trouxe da padaria. Além do mais, sábado passado eu fui à uma oficina de bullet journal. Foi bem divertido. Ganhamos um pequeno kit com os materiais que usaríamos e eu finalmente realizei meu sonho de ter um caderno pontilhado (mesmo que ele seja pequeno). Ao contrário do que eu esperava, estou conseguindo me organizar muito bem com o bullet journal. Marquei alguns compromissos e datas importantes que terei esse mês, como o aniversário da minha mãe, os ensaios do teatro e as consultas na psicóloga. Me sinto mais "independente" de certo modo por estar conseguindo me organizar dessa maneira. Acho que minha psicóloga ficaria orgulhosa. Ainda estou estudando para o vestibular da PUCRS, por mais que esteja com dificuldade para acordar cedo. Espero conseguir seguir firme nos estudos, assim como espero que você esteja tendo uma boa semana.

segunda-feira, 7 de outubro de 2019

Como já dizia o Pica Pau: "e lá vamos nós"

Eu tenho um certo preconceito quando chega o domingo. Sendo sincera, acho que eu nunca gostei de domingos, por mais que eu tenha gostado do dia de ontem, já que dois amigos meus que fazem teatro comigo vieram aqui em casa de tarde. Jogamos conversa fora, comemos bolo de laranja e demos umas boas risadas. Falta menos de um mês para o ENEM e é nesse momento que eu me pergunto o que eu fiz durante o ano... Além de procrastinar, claro. Tenho mais um vestibular marcado para o final do mês, desta vez, valendo meu ingresso no curso de Escrita Criativa da PUCRS. Montei um cronograma de estudos especial para esse vestibular e já me engajei nos estudos testando meus conhecimento fazer os vestibulares anteriores da faculdade. Minha média de acerto por matérias é 5, mas eu quero subir para 7. Não sei o porquê, mas me sinto mais pressionada a passar nos vestibulares das faculdades privadas do que das federais. Talvez porque seja "menos concorrido", de certo modo, sem contar que o primeiro e o segundo lugar ganham, respectivamente, uma bolsa integral e uma bolsa parcial. Minha família não tem dinheiro para bancar a mensalidade da PUCRS, então acho que tenho que me esforçar para conseguir, pelo menos, o segundo lugar como uma maneira de "agradecimento". Tenho consciência de que, talvez, minha colocação não seja tão alta, mas sigo firme e forte na minha teoria de que, se eu estudar bastante e continuar fazendo as questões dos vestibulares anteriores, conseguiria uma boa colocação. Enfim, espero voltar em breve com mais novidades, assim como espero que você esteja tendo uma boa semana.

domingo, 22 de setembro de 2019

Sobre Romeu e Julieta, mais de cinco semanas de matéria atrasada e mangás novinhos em folha

Depois de um mês e uma semana, eu finalmente dei as caras por aqui. Deu algum problema com o driver do meu notebook e ele não está conectando com o wi-fi, o que faz com que eu recorra ao notebook do meu pai. Não tenho tido tanta disposição para estudar. O máximo que faço é ir ao cursinho quatro vezes por semana porque eu falto segunda-feira por causa das oficinas de teatro.  Falando em teatro, preciso decorar um trecho de Romeu e Julieta para apresentar amanhã. Ainda não decorei todo o texto e se quer tenho alguma ideia de como performá-lo, ainda mais estando nos sapatos de uma rainha que está irritada no último. Eu entendo que meu professor quis me desafiar me dando o papel de rainha, mas ela é um ser que esbanja superioridade e eu sou me acho tão inferior. Voltando aos estudos, estou com mais de cinco semanas de matéria atrasada. Felizmente, meus pais não sabem disso e se soubessem, tenho certeza que eles me repreenderiam até que eu botasse a matéria em dia. Por outro lado, tenho me sentindo bem comigo mesma. Acho que posso dizer que idas semanais à psicóloga finalmente estão me ajudando como deveria. Além do mais, tenho lido bastante. Não livros em si, mas mangás, como Furi Fura, Food Wars e JoJo's Bizzare Adventures. Meus dias tem sido monótonos, mas pretendo voltar a ativa nos estudos semana que vem. É meio bobo fazer uma promessa dessas, mas espero cumpri-la, assim como espero que você esteja tendo um bom final de semana.

quinta-feira, 15 de agosto de 2019

Sobre uma festa de aniversário com bolo cor-de-rosa, vestibular de inverno e preguiça

Meu aniversário foi no último domingo do mês passado e acho que foi um dos melhores dias do mês de julho para mim. Os preparativos para a festa começaram no dia anterior. Meus pais mudaram as mesas de lugar e ajeitaram os bancos entre um cômodo e outro para as pessoas sentarem. Minha mãe comprou meio cento de salgadinhos vegetarianos para minhas amigas vegetarianas (por mais que só uma delas tenha vindo), eu e meu pai saímos para pegar os salgadinhos e o bolo na padaria. Preciso confessar que, à primeira vista, eu julguei meu bolo por ele ser enfeitado com glacê cor-de-rosa, mas, no final, até que eu gostei do bolo cor-de-rosa. Além de ter convidado alguns dos meus amigos, convidei dois meninos que fazem teatro comigo e eles vieram. Comemos salgadinho, tomamos suco de laranja com metanfetamina (de acordo com uma amiga minha, isso que justificaria o fato de todo mundo gostar daquele suco) e brincamos de "o que eu sou?" com post-its colados na testa, o que nos rendeu longas horas de diversão e uma porcão de gargalhadas. Uma semana após minha festa, eu fiz o vestibular de inverno da CESUSA, uma faculdade da cidade vizinha. Eu concorria a uma bolsa integral caso eu acertasse 75% da prova. Era uma prova que consistia em uma redação com o tema: "a sociedade brasileira e o consumo estético", além de 35 questões, sendo 5 questões de cada matéria, na qual incluía Português, História, Geografia, Matemática, Física, Química e Biologia. Conferindo o gabarito divulgado no dia seguinte, vi que eu havia acertado 20 questões e checando o resultado do vestibular, vi que havia ficado em 2º lugar com um total de 50 pontos. Minha mãe quase teve um troço no telefone enquanto eu, sinceramente, esperava mais de mim mesma. Tenho estudado pouco por causa da preguiça. Na verdade, eu só tenho ido no cursinho sendo que hoje eu faltei aula, mas pretendo voltar a ativa com os estudos para não acumular mais matéria do que já está acumulada. Enfim, essas foram as últimas notícias do meu mundinho. Muito obrigada por ler até aqui. Espero que você esteja tendo uma boa semana.

domingo, 21 de julho de 2019

Faltam 4 dias para o meu aniversário de 19 anos e eu estou como? Isso mesmo: em crise

Preciso confessar que sempre gostei de comemorar meu aniversário. Minha família sempre teve esse costume e é um dos poucos costumes familiares que eu gosto. Completo 19 anos no dia 25 e, por mais que a festa seja dia 28, já estou sofrendo em nome dos 20 anos que ainda não tenho. Sendo sincera, desde pequena eu não conseguia me imaginar sendo adulta. Tudo bem que ao longo dos anos eu sempre tinha uma resposta diferente para a pergunta mais clichê do mundo a.k.a "o que você quer ser quando crescer?", mas eu não conseguia me projetar no futuro completamente, por mais que eu lembre de ter feito desenhos quando criança em que eu ia à balada com as minhas amigas sendo que eu acho isso uma das coisas mais improváveis de acontecer sendo que sou uma pessoa extremamente caseira e um tanto antissocial. Acho que estou sofrendo com o que já falei aqui no início do mês: coming of age. Além do mais, esse se tornou um dos meus termos preferidos em inglês junto com as palavras "between" e "outgoing". Voltando a falar do meu aniversário, convidei dois amigos do teatro para a festa e estou pensando em convidar o restante do pessoal, só estou com medo de todo mundo vir e minha mãe ter um troço por ter convidado tanta gente sendo que mau cabe nós três e nossos nove cachorros aqui em casa. No final das contas, estou ansiosa para o meu aniversário, por mais que eu não seja lá muito fã de tirar fotos e desde pequena ache que essa é a pior parte da festa, sem contar o fato de que estou oficialmente em transição de younghood para adulthood. Espero sobreviver até o final do processo. Enfim, muito obrigada a você que leu até aqui. Espero que esteja tendo um bom final de semana.

domingo, 7 de julho de 2019

"Sei lá, cara, é complicado"

É o que eu diria se me perguntassem de você. Eu não mentiria porque, no sentido mais literal possível: "sei lá, cara, é complicado". Ainda não sei por que eu te chamei, muito menos o por que eu ter insistido naquela conversa. Já disse que não fui eu, mas por que eu sentia que aquilo era para mim? Acho que eu estava tão sóbria que mal conseguia racionar direito, se é que você me entende. Eu nunca fui de beber e eu realmente estava sóbria enviando cada uma daquelas mensagens, mas talvez eu não estivesse em sã consciência. E não me venha com esse papinho de "seus pais te amam" e essa história de que "se você não tivesse nascido, seus pais estariam infelizes". Eu já gasto quarenta e cinco minutos semanais que valem um e cinquenta cada para falar sobre eu e meus "problemas de adolescente". Eu não acredito mais nessas mentiras. É fato: eu nasci para sufocar, então deixe que eu faça meu devido trabalho. Se for pedir demais, por favor, pare de tentar. Isso não vai me impedir de realizar meu sonho e acho que você já sabe qual ele é. Afinal, é tudo questão de tempo até que eu esteja a sete palmos do chão.